PRÉMIO MARIA DAS NEVES REBELO DE SOUSA 2020

A votação online irá decorrer de 13 março a 20 de abril (inclusive).
A escolha da candidatura vencedora compreende quatro etapas, tendo cada uma a ponderação de 25%.
Nesse processo, cada ID (endereço de email) só pode votar uma vez. Assim:
  1. Escolha dos “sócios empresas” e “sócios solidários” – através do site (cada sócio entra no seu login e vota);
  2. Escolha dos Membros do Conselho Geral – através do site (cada Membro entra no seu login e vota);
  3. Votação aberta à sociedade civil através do site (só permite um voto por ID);
  4. Votação por todos os presentes no jantar de dia 21 abril (através de um cupão de voto).
Após a votação, é possível observar o “ponto de situação” da votação, registando a vermelho a sua intenção de voto.

Os “sócios solidários” e “sócios empresa”, assim como as candidatas podem acompanhar a evolução da votação através do seu login (espaço reservado a associados).

O Jantar de Gala de atribuição do Prémio, no Circulo Eça de Queirós, será reservado a “sócios empresa” e “sócios solidário”. E aos representantes (um por candidatura) das candidatas.



LISTA DE INSCRITOS 
    1
    ASSOCIAÇÃO CAPULANA Ver Perfil
    A Associação Capulana, ONGD, constituída em 2013 está alicerçada em obra desenvolvida em Moçambique há já 19 anos, inicialmente, como forma de retribuição – “por tudo o que de bom lá recebemos”.

    Na aldeia de Ndivinduane, distrito da Namaacha, a 100km de Maputo, os sócios fundadores construíram em 2003 um furo artesiano para extracção de água, uma escola, uma creche, um Centro de Saúde, um berçário, uma cozinha e um refeitório, casas (para os professores, enfermeiros, pessoa mais velha da aldeia e para o Chefe da aldeia), um albergue para 15 alunos, um campo de basquete e um campo de futebol.

    Ao longo destes anos foram criadas infra-estruturas, financiados e implementados projectos para a criação de respostas às várias necessidades, procurando a sua replicação de forma sustentável.

    Tendo como missão apoiar e proporcionar oportunidades a crianças e jovens na área da educação, a Associação Capulana tem contribuído para quebrar o ciclo de pobreza em Moçambique, dando acesso não só à educação, mas também nutrição e saúde a crianças e jovens.

    No último ano a Associação Capulana estendeu o seu apoio a mais duas escolas no raio de 10km de Ndivinduane, Mazimunhama e Mussuquelane e no início deste ano a duas novas escolas, Cassimates e Monucua.

    A Capulana tem como motivação a criação de algo transformador, duradouro, sustentável e que ajude a diminuir a pobreza e a fome, contribuindo para que todos sejam mais felizes e procurando incrementar o sentimento e consciência de uma solidariedade global.
    FICHEIROS  
    BREVE HISTORIA ASSOCIACAO CAPULANA_CCPM_2020
    ASSOCIACAOCAPULANA_CCPM_2020
    2
    CUIDADOS PALIATIVOS EM MOÇAMBIQUE Ver Perfil
    Os Cuidados Paliativos são parte integrante da gestão de todos os pacientes com doença incurável transmissível e não-transmissível permitindo a todos estes uma morte com dignidade. Em Moçambique, apesar do acesso aos cuidados de saúde serem ainda um grande desafio houve necessidade de estruturação dos serviços e modelos assistenciais. A Unidade da Dor do Hospital Central de Maputo criada em 2007 e reestruturada para Unidade da Dor e Cuidados Paliativos em 2019, surge em resposta ao aumento progressivo dos doentes com HIV/SIDA e cancro, com dor total e em sofrimento intenso. Dos doentes oncológicos nos principais Hospitais em Moçambique, mais de 80% se apresentam com dor intensa.
    Nossa missão é melhorar a qualidade de vida dos doentes crónicos oncológicos e não oncológicos, e o atendimento ao domicílio constitue nossa prioridade para os doentes mais debilitados e em fim de vida.
    Esta Unidade é a primeira à nivel dos Países de Língua Oficial Portuguesa (PALOP) com estrutura própria e profissionais especializados, com atendimento diário em ambulatório, intrahospitalar e ao domicílio. Suas actividades são extensivas a província de Gaza (Xai-Xai, Chokwé, Chicumbane, Massingir e Chibuto), província de Sofala (Beira) e Nampula, em parceria com a DSF, Fundação Calouste Gulbenkian, MOPCA e ICECE. 
    FICHEIROS  
    CUIDADOS PALIATIVOS EM MOÇAMBIQUE
    RESUMO DAS PRINCIPAIS ACTIVIDADES EM DOR E CUIDADOS PALIATIVOS
    3
    PROJECTO ESPERANÇA MOÇAMBIQUE Ver Perfil
    “A semear Esperança em Moçambique há 20 anos!” O Projecto Esperança tem como missão apoiar Crianças/Jovens e Famílias vulneráveis em Moçambique. Olívia Tamele, também conhecida por “Mãe Olívia”, e ainda hoje a mentora do Projecto, iniciou esta causa em 1998 com 3 Crianças, com o objetivo de as apoiar, assim como às suas Famílias detentoras de HIV/SIDA. Rapidamente se multiplicaram para 50. O âmbito de intervenção do Projecto foi-se alargando no sentido de apoiar Crianças vulneráveis oriundas de Famílias problemáticas. Para além da saúde, a educação e os valores passaram também a ser objectivos prioritários desta causa. Hoje as crianças, após ou antes do período escolar, deslocam-se aos centros de apoio para se alimentarem, conviverem, receberem apoio escolar, formação de valores, apoio moral e familiar e também, não menos importante, afectos… O Projecto é constituído por 3 centros de apoio, o Centro Piloto de Marracuene, o Centro de Pussulane e o Centro da Cidade da Beira, que apoiam aproximadamente 300 Crianças entre os 4 e 20 anos. Já muito foi realizado! O Projecto Esperança já tem jovens a estudar na Universidade e muitos a realizar cursos técnicos e as condições de infraestruturas dos Centros melhoraram consideravelmente. Esta causa é sustentada através do apadrinhamento de Crianças, que financia a educação, material escolar, alimentação, vestuário e despesas de saúde da criança. E, também, carinho e amor, tão necessário para o desenvolvimento de qualquer ser humano. Outras acções específicas envolvem investimento em infraestruturas de modo a permitir o bom funcionamento dos centros de apoio, assim como acções pontuais em actividades relevantes para a formação e desenvolvimento das crianças de Moçambique. Surgiu também recentemente um novo grupo de Moçambicanos e Portugueses com muita vontade de apoiar esta causa, através do apadrinhamento directo de Crianças, participação em eventos de confraternização e angariação de apoios. Dando continuidade ao trabalho já realizado pela associação Padrinhos de Portugal, foi criada recentemente também neste País, a associação Hope4Moza para apoiar o Projecto Esperança Moçambique nas variadas áreas.
    FICHEIROS  
    A NOSSA MÃE OLIVIA1
    FELIZES COM AS NOVAS SALAS DE AULA DA BEIRA!
    PREPARANDO O ALMOÇO DOS NOSSOS MENINOS
    PROJECTO ESPERANÇA
    4
    UM PEQUENO GESTO UMA GRANDE AJUDA Ver Perfil
    Em 2020 a Um Pequeno Gesto quer construir um Refeitório e um Passadiço na Pré-escola de S. Vicente de Paulo
    A UPG propõe ao Prémio Maria das Neves Rebelo de Sousa o financiamento de 7’403€ para a construção destas infraestruturas essenciais e funcionamento da Pré-SVP em 2020. A proposta considera o financiamento da construção do Refeitório e Passadiço SVP (3’809) bem como 45% (3’594€) de Financiamento da Pré-Escola de São Vicente de Paulo (“Pré-SVP”), no Chokwé, Província de Gaza, Moçambique, para 73 crianças. A Um Pequeno Gesto Uma Grande Ajuda (“UPG”) e a A Little Gesture A Great Help ("ALG") são duas ONGD’s, Portuguesa e Inglesa, com 15 anos e muitos Pequenos Gestos na província empobrecida de Gaza, em Moçambique. • A nossa missão é a promoção da melhoria das condições de vida de crianças desfavorecidas e suas famílias, em Moçambique. • Acreditamos que o acesso à educação e nutrição, num ambiente saudável e digno, permite aos jovens e crianças Moçambicanos quebrar o ciclo de pobreza. • O nosso programa de Apadrinhamento individual de crianças vulneráveis é complementado pela nossa intervenção com Projetos de Apoio à Pobreza (Centro HIV), Infraestruturas (Palhotas, Latrinas e Furos de água), Educação (Pré-Escolar, Alfabetização, Alimentação Escolar, Apoio Pós-Escolar e Universitária) e Sustentabilidade (Cursos Técnicos e Geração Rendimento). • Em 2011 fundámos a A Little Gesture UK para complementar os fundos da UPG Portugal e alcançar ainda mais beneficiários em Moçambique. • Temos uma politica de custos estrita, com forte apoio de trabalho voluntário, para maximizar os fundos aplicados no terreno – o objetivo da UPG é aplicar 90c por cada euro doado diretamente nos nossos programas de intervenção em Moçambique. • Em 2019, o Apadrinhamento UPG/ALG ofereceu a 883 crianças carenciadas, frequentemente órfãs, uma oportunidade de acesso à escola, uma cesta básica e ao carinho de um Padrinho de língua portuguesa Com os Projectos UPG/ALG mais de 1´500 crianças beneficiam anualmente de programas de alivio à pobreza, infraestruturas, educação e sustentabilidade. Desde o nosso lançamento a UPG/ALG aplicou mais de três milhões de euros no terreno em apoio direto, local e diário. • Em 2019 angariámos mais de €365’185 mil em fundos e em 2020 queremos crescer ainda mais!
    FICHEIROS  
    PRÉMIO MARIA DAS NEVES REBELO DE SOUSA _PROJECTO-REFEITÓRIO + PASSADIÇO SVP
    SNASHOPT PRE ESCOLAS
    UPG RELATORIOFINANCEIRO YE2019 VF
    5
    PLATAFORMA MAKOBO Ver Perfil
    “AS COISAS QUE EU QUERO, TENHO QUE AJUDAR A CONSTRUIR.”

    A MAKOBO é uma Plataforma colaborativa com a Missão de prover e fomentar serviços que visem a promoção do bem-estar social de grupos menos favorecidos, através de acções de responsabilização individual e corporativa que, realizadas de forma continuada, efectiva, planeada e sustentada, contribuam para o desenvolvimento social, cultural e económico do país.

    MISSÃO
    Prover e fomentar serviços que visem a auto-suficiência de grupos menos favorecidos, através da maximização de aptidões de indivíduos, dotando-os de habilidades para o seu sustento e que contribuam para o desenvolvimento económico, social e cultural da sua comunidade e do País.

    VISÃO
    Ser a plataforma preferencial de desenvolvimento e gestão sustentada de acções efectivas de apoio a grupos menos favorecidos, no âmbito da implementação de Políticas institucionais de Responsabilidade Social Corporativa, e voluntariado individual.

    Solidariamente |

    Ruy M. Santos - Fundador da MAKOBO

    WWW.MAKOBO.CO.MZ |
    Uma Questão de Compromisso.
      
    FICHEIROS  
    MAKOBO_APRESENTACAO_V2019
    6
    ASSOCIAÇÃO KUTSACA Ver Perfil
    O projecto Kutsaca é um projecto educativo de capacitação de comunidades. Actua desde 2014 através de um modelo de intervenção comunitária que promove a alfabetização e educação de base às crianças, bem como o empoderamento feminino através do desenvolvimento de competências Pessoais, Sociais, Saúde, Nutrição, Desenvolvimento da primeira infância, Ateliers criativos e Criação de micro-negócios. Acreditamos que um modelo de transformação só é realmente eficiente se promover pontes colaborativas com os diversos actores da economia global, de forma activa e consciente, estimulando o empreendedorismo solidário em detrimento do modelo assistencialista que gera dependência e não reforça a capacitação e empoderamento local. Estamos ao serviço de um mundo mais consciente, colaborativo, justo e digno para todos, através de modelos de educação, formação, experiência e partilha.
    FICHEIROS  
    KUTSACA_CCPM_2020

Prémio
Maria das Neves Rebelo de Sousa

Regulamento



Considerando o contributo que Maria das Neves Rebelo de Sousa, uma das primeiras Assistentes Sociais de Portugal, ao longo da sua vida deu a causas de natureza humanitária e social, particularmente em Moçambique de 1967 a 1970, deixando na memória de muitas entidades e populações a indelével marca da sua personalidade e sentido de dádiva ao próximo, entendemos Honrar o seu legado através do reconhecimento do mérito e da solidariedade com um prémio anual.

INTRODUÇÃO

A Câmara de Comércio Portugal Moçambique (CCPM) tem, como principal objetivo, a construção de uma sociedade inclusiva, capaz de valorizar as relações sociais, académicas e económicas entre as comunidades dos dois países.
O Prémio Maria das Neves Rebelo de Sousa, a atribuir anualmente, com início no ano de 2019, tem como finalidade reconhecer individualidades ou organizações que, pela sua relevância e pelo trabalho desenvolvido, se tenham distinguido na área da Responsabilidade Social em Moçambique.

PRIMEIRO
Objetivo

O objetivo do Prémio Maria das Neves Rebelo de Sousa é distinguir individualidades ou organizações que tenham contribuído de forma decisiva e com particular impacto na sociedade moçambicana quer através de uma abordagem teórica (designadamente, com a introdução de novos conceitos, de novas metodologias ou da contribuição para a modificação de mentalidades), quer por via de uma abordagem prática (designadamente, de modalidades de apoio direto).

SEGUNDO
Prazo

O Prémio Maria das Neves Rebelo de Sousa é atribuído anualmente.

TERCEIRO
Valor

O Prémio Maria das Neves Rebelo de Sousa tem um valor simbólico de €7.500 (sete mil e quinhentos euros), suportado pela Câmara de Comércio Portugal Moçambique.

QUARTO
Processo de Decisão

1. A coordenação e acompanhamento de atribuição do Prémio é da responsabilidade do Conselho Geral da CCPM, composto por personalidades de reconhecido mérito, com o seguinte modelo;
2. O Conselho Geral identifica, deliberando por maioria simples dos seus membros, até seis propostas finalistas. O processo de voto tem quatro etapas, com a ponderação de 25% cada. Assim;
a. O Conselho Geral vota, de modo secreto, por envelope fechado, as propostas finalistas;
b. Os sócios empresas e sócios solidários, com as quotas em dia, da CCPM, votam de modo digital nas propostas entre 12 de março a 21 de abril;
c. É promovida uma votação online das seis propostas finalistas, entre 12 de março a 21 de abril, sendo assegurado que cada ID só pode realizar uma votação. Os responsáveis pelas propostas devem assegurar o modelo e a informação a disponibilizar pela plataforma.
d. As pessoas presentes no jantar de Gala, para atribuição e entrega do prémio, têm acesso à votação, também secreta, numa tombola em acrílico transparente, colocada para o efeito na sala.
3. Serão convidados para a cerimónia de entrega de prémios um representante de cada proposta finalista em concurso.
4. A decisão de atribuição do prémio Maria das Neves Rebelo de Sousa não é passível de recurso.

QUINTO
Critérios de avaliação

No processo de avaliação das candidaturas são considerados, como critérios fundamentais, a prossecução dos objetivos que presidiram à instituição do Prémio, bem como o impacto, a originalidade e o caráter inovador da contribuição dos candidatos para o ideal de uma sociedade inclusiva.

SEXTO
Candidaturas

1. As candidaturas, devidamente fundamentadas, devem ser submetidas exclusivamente online, no mês de fevereiro de cada ano, em www.ccpm.pt, de acordo com as instruções aí referidas.
2. Os documentos a incluir na candidatura deverão evidenciar os resultados e os impactos das atividades desenvolvidas pelo candidato.
3. Para apoio à inscrição queiram enviar o seu logotipo.
4. Como suporte à informação de apreciação da candidatura, podem enviar até cinco ficheiros, em pdf, com o máximo de 10 mb cada. Para os vídeos poderão enviar o link do vídeo (youtube ou vimeo) ou código para incorporar.
5. Os documentos podem ser alterados até ao dia 28 de Fevereiro, através de solicitação a ricardo.rodrigues@ccpm.pt.
6. Para além dos documentos submetidos com a candidatura, o júri pode solicitar esclarecimentos adicionais sobre o trabalho desenvolvido pelos candidatos.
7. O Conselho Geral da CCPM, no dia 12 de março, identificará os (até seis) projetos a votação.
8. Os Prémios serão entregues durante na última etapa do processo de seleção, o Jantar de Gala, no Círculo Eça de Queirós, no dia 21 de abril.

SÉTIMO
Elegibilidade

São elegíveis as candidaturas de quaisquer pessoas singulares ou coletivas, independentemente da sua nacionalidade, que se tenham distinguido, em Moçambique, na defesa e na promoção do ideal de uma sociedade inclusiva.

CORPORATE